Making of #9 [as carroças e os carros]

Em “Pauliceia desvairada”, de 1922, Mário de Andrade fala, por exemplo, de “carroças rodando rápidas as ruas se desenrolando”. A promessa de progresso da cidade se cumpriu rapidinho. Entre o urbano dos novos arranha-céus e o rural da economia cafeeira, lá estão rápidos e abertos os novos caminhos com suas pequeninas carroças, como mostra a foto abaixo de Guilherme Gaensly, também da década de 1920; o cenário é o da imensa Praça da Luz, centro de São Paulo. Em “Trânsito”, não há mais nenhuma carroça na São Paulo representada. Na maioria, carros, pickups, vans, ônibus que facilmente alcançariam 100km/h. Já as avenidas e rodovias são larguíssimas e perfeitas para esses mesmos automóveis passarem em alta velocidade. Mas não é o que acontece; por mais potentes que sejam os carros, eles são mais lentos que as carroças do poema de Mário de Andrade.